i gave my life to a simple chord

terça-feira, outubro 29, 2002

[segunda]

Hoje é um dia histórico.
Segunda-feira,
Depois do meio-dia,
O Lula é presidente do Brasil.
E eu não votei.
E me sinto bem mal porque o Rigotto ganhou no RS.
E eu não vi debate porque não tenho tv.
E eu não li jornal porque não tenho saco.
E eu não sei o que está acontecendo agora no Iraque.
E meu celular está sem créditos.
Estou em casa passando creme nos pés enquanto ele dorme e os homens sujos martelam no banheiro.
E eu preciso me mudar.
E eu não consigo parar de pensar.
Pá, pá, pá, pá, pá, que inferno.
Uma semana, uma semana, duas semanas e minha vida estará mudada e minha alma estará perdida.
Cedo demais, tarde demais, muito, demais, tudo, sempre.
De novo. De novo.
Uma semana, duas semanas e serei uma camélia no meio do concreto velho e cinza do centro e ninguém me encontrará.
Nem eu.
Pá, pá, pá, pá, pá.
Ninguém nunca encontra.
E se encontra, joga fora.
E depois se arrepende e não tem mais volta.
Ninguém nunca encontra.
Porque não há.
Não há ninguém.
Não há ninguém em nenhum lugar.
Outra casa. Outra chance, outro pedaço arrancado do peito por mordidas de dentes gastos.
Eu preciso passar por isso, sabe.
Sabe sim.
Eu preciso passar por isso.

.: Clara Averbuck :. 8:22 PM

Acesse os arquivos por aqui:

  • wanna find me?
  • miau?
  • me espalhe, sou uma peste
  • eu leio a bust