i gave my life to a simple chord

quarta-feira, junho 05, 2002

Independently blue

[12'33AM]

Estou com sono para sempre. E com dor de cabeça. Já tomei 200 remédios e nada faz passar. Muito sono. Vontade de deitar e só existir. Nenhuma força para empacotar minha vida.

Minha mãe sempre me salva. Agora eu possuo alguns reais. Amanhã vou cortar meus cabelos, fazer minhas unhas, começar a ficar bonita de novo. Não nasci para ser trapinho. Faz tanto tempo que não corto meus cabelos decentemente. Mais de um ano que faço tudo sozinha, com exceção de uma ou outra vez. Amanhã quero me sentir uma princesinha sendo bem tratada. Às vezes é bom.

Levantei sozinha e lavei o rosto. Por enquanto, tudo que consigo fazer é ficar de pé, mantendo a coluna reta para não desmoronar e virar uma pilha de ossos no chão. Sem ir para lugar algum, até que termine de escoar o restinho que sobrou de mim. Meu restinho crédulo, inocente, estúpido, que não sabia nada sobre os homens. Homens mentem. O tempo todo, eles mentem. Sem precisar, eles mentem. Nunca acreditei nisso até aprender. Aprendi. Homens mentem. Principalmente para eles mesmos. Coitados dos homens.

Preciso tomar cuidado para não endurecer. Para não entorpecer. Para não ter medo na próxima vez. Não posso endurecer.

Não quero mais ter que esconder nada. Nunca mais vou esperar por ninguém. Da próxima vez, se ele não estiver aos meus pés nos primeiros dez segundos, vou embora. Nada de "vai, meu querido, termina as coisas como elas devem ser, você precisa ser correto". Foda-se. Da próxima vez, vou fazer tudo errado para ver se dá certo. Vou bater o pé e dizer "você tem que ficar comigo agora, AGORA, senão eu vou embora e nunca mais volto". Love me or leave me. Me ama ou cai fora e me deixa sozinha, antes que seja tarde.

Agora é tarde. Mas só até a próxima vez.

.: Clara Averbuck :. 1:28 PM

Acesse os arquivos por aqui:

  • wanna find me?
  • miau?
  • me espalhe, sou uma peste
  • eu leio a bust