i gave my life to a simple chord

quinta-feira, maio 16, 2002

Da próxima vez, procure no bolso

Então acabei indo ao show do Mogwai.

Certo.

Nego que enlouquece ouvindo Mogwai e fala mal de Pink Floyd e Yes deveria ter as cordas vocais removidas (assim como os jogadores de futebol, que podiam muito bem ser mudos).

Duas palavras para o show: ROCK PROGRESSIVO. Alto, distorcido e tão grave que fazia o lugar tremer, mas ainda assim, rock progressivo. Fim.

Meu pai ia adorar. O Arnaldão deve ter se amarrado. É, o Arnaldão. Baptista. Ele tava lá, todo feliz e descabelado, junto com sua senhoura e babá. Mestre. Mes-tre. Até procurei o cara no fim do show pra perguntar o que ele achou, mas não encontrei. Pena.

[Intermission: o hino do Corínthians invade minha casa. Buzinas. Gritos. Rojões. Meu saco.]

Tinha esse moço, conhecido meu, se matando no air guitar lá na frente. Pulava e se balançava, quase caindo, enquanto todo o resto assistia sentadinho e comportado. A banda poderia muito bem contratá-lo para fazer performances. Eles ficariam atrás do ciclorama, aquele fundo que muda de cor, e ele faria o show inteiro sozinho. Quer dizer, sozinho não: ele e sua incrível air guitar. Fico imaginando que marca era. O cara se mexia mais do que a banda inteira junta. Sensacional. Aposto que metade do público morria de vontade de fazer igual a ele, mas eram cool demais e tinham vergonha e faziam chacota do garoto. Ora bolas, ele é feliz. Não se importar de verdade é um dom muito raro.

Bom, chamam Mogwai de Pós Rock. Esses rótulos, vou te contar. O que vem depois de Pós Rock? Novo Rock? Ah, esse também já tem. Oquei. Parece a moeda brasileira: cruzeiro, cruzeiro novo, cruzado, cruzado novo... Pra mim aquilo ali é progressivo e fim.

Antes que algum fã mais afoito escreva amaldiçoando meus gatos, aviso que gostei do show. Não mudou nem minha vida, nem minha opinião sobre a banda, mas foi legal. Puta clima, puta luz (o iluminador precisava de um pouco mais de timing, mas enfim), alto pra caralho. Ensurdecedor. Deve ser legal de ouvir na estrada, de noite, sem ninguém por perto. Bom show. E olha que sou muito chata com shows. Oh, você sabe.

Mas não adianta. Parei no fim de 79 mesmo. Meu negócio é rock. Sem sobrenomes. Como disse um rapazinho na saída: desculpe, mas prefiro Strokes.

.: Clara Averbuck :. 12:15 AM

Acesse os arquivos por aqui:

  • wanna find me?
  • miau?
  • me espalhe, sou uma peste
  • eu leio a bust